BNDES libera mais de 25 milhões para implantação da Duratex em AL

Investimento representa a segunda etapa de implantação da indústria Duratex e foi aprovado pela Sudene

30cc0bbf8683ce7aeff635fe17489830_L

Com grande potencial para se tornar uma das principais alternativas do setor produtivo alagoano, a cadeia do eucalipto acaba de receber mais um investimento. A Caetex Florestal S.A – formada entre a subsidiária Duratex Florestal Ltda. e a Usina Caeté – acaba de receber R$ 25.459.126 milhões provenientes de um financiamento do BNDES destinados à ampliação da floresta do eucalipto em Alagoas.

O investimento, que representa a segunda etapa de implantação da indústria de beneficiamento do eucalipto no Estado, foi aprovado pela Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) e financiado pelo Banco do Brasil.

A ampliação das fazendas ocorrerá nos municípios de Maceió, Flexeiras, Messias e Barra de Santo Antônio.

Para o secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo (Sedetur), Helder Lima, a aprovação do investimento representa mais um passo no desenvolvimento da agroindústria em Alagoas.

“Temos oferecido todos os meios e subsídios necessários para a consolidação da cadeia produtiva do eucalipto aqui no estado. A chegada concreta da Duratex significa um passo fundamental neste sentido, pois se trata de uma indústria de base que atrairá outras empresas ao seu redor, como já aconteceu com a Braskem e agora acontece com a Portobello. Com a implantação de uma indústria de beneficiamento de eucalipto, produzindo placas de MDF e MDP, abrimos portas para um mercado importante que promove grande geração de emprego e renda em um novo setor produtivo em Alagoas”, afirma Helder Lima.

Além disso, o plantio do eucalipto se tornou uma alternativa econômica para o cenário sucroenergético, substituindo a cana-de-açúcar.

A Duratex, que se uniu em Alagoas à Usina Caeté em 2014, vai investir aproximadamente R$ 72 milhões em obras de infraestrutura e aquisição de equipamentos para a implantação da fábrica. A previsão é de que o início das operações aconteça entre 2018 e 2019. Em seu pleno funcionamento, a unidade fabril terá capacidade de produção de até 400 mil m³.

Andressa Alves – Agência Alagoas

29/07/16