Em julgamento aberto para público Taturanas irão sentar banco dos réus

paulao-do-pt-e-cicero-almeida

Por decisão do desembargador Domingos de Araújo Neto, do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), o julgamento dos réus na Operação Taurana, desencadeada pela Polícia Federal (PF), em 2007, o julgamento será aberto ao público, a partir das 9h do dia 22 deste mês.

“Em que pese haver nos autos documentos em segredo de justiça, resolvi realizar a sessão de forma aberta, com base em precedentes deste Tribunal e também do Supremo Tribunal Federal, no julgamento da ação penal nº 470 [mensalão]”, afirmou o desembargador, que é presidente da 3ª Câmara Cível.

Dos nomes que vão a julgamento, estão figuras conhecidas na política alagoana, como o deputado Estadual João Beltrão. Também serão julgados três deputados federais – Artur Lira (PP), Paulão (PT) e Cícero Almeida (PMDB) – os dois últimos são candidatos a prefeito em Maceió.

Já foram condenados Celso Luiz Brandão, José Júnior de Melo, Manoel Gomes de Barros Filho, Cícero Amélio da Silva, Edwilson Fábio de Melo Barros, Fernando Juliano Gaia Duarte, Marcos Antônio Ferreira Nunes, Antônio Aroldo Cavalcante Loureiro, Cícero Ferro, Arthur Lira, Paulo Fernando dos Santos (Paulão), Maria José Pereira Viana, João Beltrão Siqueira, José Adalberto Cavalcante Silva e Cícero Almeida.

De acordo com a decisão, os ex-deputados Celso Luiz e Cícero Ferro foram condenados por terem assinado os cheques. Celso ainda ficou com os direitos políticos suspensos por nove anos; Ferro, por cinco; e José Júnior de Melo, Manoel Gomes de Barros Filho, Cícero Amélio da Silva, Edwilson Fábio de Melo Barros, Fernando Juliano Gaia Duarte, Marcos Antônio Ferreira Nunes, Antônio Aroldo Cavalcante Loureiro, por oito anos.

Em caso de nova condenação os deputados Artur Lira, João Beltrão, Paulão e Cícero Almeida, perdem os direitos políticos por 10 anos, além de pagamento de multa cível equivalente ao mesmo valor do empréstimo tomado no Banco Rural.

A Taturana
Desencadeada em 2008, a Operação apurou um forte esquema de corrupção na Assembleia Legislativa, com a participação de vários parlamentares. Segundo a PF foram desviados mais de R$ 300 milhões dos cofres da Casa

bernardino-souto