Grupo acusado de participar de chacina em Rio Largo é condenado

grupo

Os quatro acusados de cometer uma chacina em Rio Largo, no ano de 2012, foram condenados pelo 2º Tribunal do Júri de Maceió. Ewerton dos Santos Seabra, Joás Silvestre dos Santos Silva, Thallys Sena da Silva e Claudevan Francelino da Silva deverão cumprir 92 anos, cinco meses e 15 dias de prisão cada.

No dia do crime, três pessoas morreram e, segundo denúncia do Ministério Público Estadual, os assassinatos aconteceram por disputa de ponto de tráfico de drogas. Os réus negaram autoria no crime.

Durante o julgamento, os réus foram ouvidos, além de11 testemunhas, sendo oito da defesa e três da acusação. O júri foi conduzido pelo juiz John Silas da Silva e terminou na madrugada desta quinta-feira (28).

Para o advogado de defesa Carlos Ângelo, não há provas de que os réus tenham tido qualquer participação no caso. “A nossa tese é a de negativa de autoria. Os acusados estavam em uma boca de fumo quando a polícia apareceu e houve uma troca de tiros no local”, afirmou.

Crime
O crime ocorreu em outubro de 2012, em uma residência localizada no Conjunto Tavares Granja. De acordo com a denúncia do Ministério Público (MP-AL), os réus chegaram ao local e efetuaram disparos contra Walter da Silva, Daniel de Oliveira e Fernando da Silva, que não resistiram aos ferimentos.

Uma outra vítima, de nome Humberto Bernardes, não veio a morrer, segundo o MP/AL, por circunstâncias alheias à vontade dos agentes. A chacina teria sido motivada por disputa de pontos para a venda de drogas.

Os réus foram sendo julgados por triplo homicídio qualificado (motivo torpe e mediante recurso que impossibilitou a defesa das vítimas), tentativa de homicídio e associação criminosa.

G1 AL