Menor confessa que matou jovem a facadas em Guariba, diz Polícia Civil

Adolescente alegou que se sentiu ameaçado e se disse arrependido.
Fato foi registrado como ato infracional; MP vai definir medida contra menor
Pedro Vidoreto Viesi, de 15 anos, foi esfaqueado e morto na saída da escola.
Pedro Vidoreto Viesi, de 15 anos, foi esfaqueado e morto na saída da escola.

Um adolescente de 15 anos confessou ter matado o jovem Pedro Carlos Vidoreto Viesi, de Guariba (SP), a facadas, confirmou a Polícia Civil. O menor, também de 15 anos, morreu na última quinta-feira (15), depois de ser perseguido e esfaqueado enquanto voltava da escola para casa.

De acordo com o delegado Izildo Aparecido Beltrame, responsável pelas investigações, o suspeito foi ouvido nesta segunda-feira (19) e, na presença de um advogado, confirmou que deu facadas na vítima depois de uma briga com ele.

Ele reconheceu a faca apreendida pela polícia e disse que cometeu o homicídio sozinho porque se sentiu ameaçado pelo jovem, mas descartou a hipótese de que o ato tenha tido como motivação uma jovem comprometida.

“Ele falou que estava sendo ameaçado pela vítima, que havia uma desavença, que a vítima estava o ameaçando e foi conversar pra saber por que estava ameaçando. A vítima teria dado um empurrão nele e ele sacou a faca e desferiu dois golpes, um na barriga e outro no peito”, afirmou.

Beltrame confirmou que o adolescente responderá por ato infracional por homicídio doloso e que seu caso foi encaminhado ao promotor da Infância e Juventude, Hermes Duarte Morais, que vai definir se pedirá que o adolescente seja internado na Fundação Casa.

Como não houve flagrante, o adolescente não foi detido. “Realmente se percebe que obviamente ele está arrependido do fato.”

A Polícia Civil ainda faz diligências para apurar se outras pessoas participaram da morte de Pedro Viesi e aguarda a divulgação do laudo necroscópico e da análise da faca usada no homicídio.

“Ele está dizendo que estava sozinho, está assumindo o delito sozinho, mas as investigações prosseguem pra saber se houve ou não a participação de outras pessoas”, disse Beltrame.

Perseguição e morte
Segundo testemunhas, Pedro e um amigo tinham acabado de sair da escola estadual José Pacífico, no Centro, e voltavam para casa a pé quando começaram a ser perseguidos.

Os meninos correram por alguns quarteirões e foram seguidos por outros jovens. O colega conseguiu escapar, mas Pedro foi esfaqueado no peito e na barriga.

Ferido, o menino buscou ajuda na casa do pedreiro, mas não chegou a falar o que tinha acontecido.

g1

19/09/16