Polícias integradas cumprem mandados de prisão e desarticulam PCC em Alagoas

Operação foi realizada na madrugada desta quinta-feira (28), em Maceió e no município de Rio Largo

8a2e8bde8e759b940960944ba8a80762_L

“Não aceito que o trabalho da polícia seja contestado por criminosos e seus familiares. A Segurança Pública de Alagoas tem de ser aplaudida, porque está cumprindo seu dever. O Estado está fazendo o papel dele”. A declaração é do secretário de Segurança Pública de Alagoas, Lima Júnior, durante a apresentação de presos na operação Ciclone, deflagrada na madrugada desta quinta-feira (28), em Maceió e Rio Largo.

Sem trégua, a Segurança Pública percorre cidades, bairros e localidades usadas como esconderijos e área de atuação de bandidos. Com 32 mandados de prisão, policiais civis e militares saíram em busca de alvos investigados há três meses, entre eles acusados de integrarem o Primeiro Comando da Capital (PCC).

Entre os presos estão Leandro de Almeida Lima, o ‘Ciclone’; e Paulo Sartorelli da Silveira, conhecido como ‘Alemão’. Contra ‘Ciclone’ pesa a acusação de dirigir a facção em Rio Largo. Já ‘Alemão’, conforme a polícia, comanda as ações maléficas da facção em Maceió.

O líder do PCC (fora do presídio) em Alagoas, Rafael Costa Sampaio, o ‘Oacley’, preso na operação, assumia a função de controle e distribuição de todas as armas da facção no Estado. Ele estava no topo das duas subfacções situadas em Maceió e Rio Largo. Edmilson Alves de Brito, conhecido com ‘Puro Ódio’, foi ferido em confronto e conseguiu fugir. Ele é uma das lideranças em Rio Largo e Murici.

“A organização é gigantesca”, afirmou o delegado Gustavo Henrique, da Delegacia de Repressão ao Narcotráfico (DRN), acrescentando que, para desmantelar a organização criminosa, os policiais ficaram três dias sem dormir. “Isso é abnegação. É senso de segurança pública”, completou o delegado.

Durante a força-tarefa, três acusados entraram em confronto com os policiais e terminaram mortos. José Gilson dos Santos Júnior, o ‘Gladiador’, responsável por adulterar chassis de veículos roubados pelo grupo; Rafael Henrique da Silva, braço direito do ‘Oacley’; e Jardian, vulgo ‘Jal’ ou ‘Anjo’.

Seriedade

Ainda na coletiva, o secretário Lima Júnior foi enfático ao afirmar que não vai permitir questionamento de parentes de bandidos ou organização criminosa sobre o trabalho da polícia. “A operação é legítima, com cumprimento de mandados de prisão. Não aceito nenhuma inversão de valores”, asseverou.

Mandados de prisão

Também foram presos Richard da Conceição de Oliveira, vulgo ‘Zulu’, acusado de tráfico de drogas; Rafael Silva de Assis, vulgo ‘TJ’; e Anderson Ribeiro Granja. Os mandados de prisão foram expedidos pela 17ª Vara Criminal da Capital. O bando apresentado é acusado de tráfico de drogas, homicídio e roubos à residência, veículos e transeuntes, além de estelionato.

Participaram da Operação Ciclone, o Batalhão de Operações Especiais (Bope), Batalhão de Policia de Guarda (BPGd), Batalhão de Polícia Escolar (BPEsc), 1º Batalhão de Polícia Militar, Batalhão de Polícia de Eventos (BPE), Radiopatrulha (RP),Grupamento Aéreo, 10º Batalhão de Polícia Militar, Tigre, Asfixia, Operação Litorânea (Oplit) e Delegacia de Repressão ao Narcotráfico (DRN), além dos Serviços de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública e das polícias Civil e Militar.

Amélia Sandes – Agência Alagoas

28/07/16