Seagri apresenta perspectivas climáticas para o Nordeste nos próximos cinco anos

 Expectativa é de que as chuvas se intensifiquem apenas em 2018

e138333d6ebb12d905c7548a47fd46e0_L

A Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária, Pesca e Aquicultura, em parceria com a Federação da Agricultura e Pecuária de Alagoas (Faeal) e a Associação dos Criadores de Alagoas (ACA), realizou, nesta segunda-feira (1º), a palestra ‘Perspectivas Climáticas para o Nordeste’ para os próximos cinco anos.

O palestrante convidado foi o professor e doutor Luis Carlos Molion. Diante de um auditório lotado, Molion fez um diagnóstico do clima nos últimos anos e lançou uma previsão para os próximos cinco anos, baseado no conceito da semelhança.

“Nós temos passado por um período bastante seco nos últimos meses, com a redução da chuva em até 65% na maior parte do Estado. Então, a ideia é mostrar um diagnóstico do que está acontecendo agora e qual é a perspectiva para os próximos anos, por meio da metodologia da semelhança”, disse Carlos Molion.

“Nós temos acesso a todos os bancos de dados do mundo, dando uma ideia muito boa de como está o clima em escala global. Com isso, montamos um cenário pra trás e identificamos no passado um ano que seja semelhante a esse, como é o caso de 1997 e 1998, que são semelhantes a 2015 e 2016. Com isso podemos ter um guia para as nossas ações e ter um planejamento”, completou o professor.

Ainda segundo Molion, esse período de estiagem ainda deverá se estender por algum tempo. “Semelhante ao que ocorreu em 1998 e 1999, ainda em 2016 e 2017 vamos ter chuvas abaixo do normal. Há uma grande chance de termos um ano bastante chuvoso apenas em 2018 e 2019 ser um ano regular”, afirmou Molion.

Produtores e representantes de diversas organizações ligadas à agricultura presentes ao evento destacaram a importância de se ter acesso a esses dados climáticos.

“Queremos saber se essa estiagem vai ser prolongada para podermos tomar as providências para o verão. Quero saber se o verão vai ser mais forte ou não”, disse João Paulo Farias, produtor de grãos e secretário de Agricultura e Meio Ambiente de Capela.

“A importância dessa perspectiva é poder fazer um planejamento. Hoje você precisa planejar tudo que vai fazer na vida, e na agricultura não é diferente. A agricultura vem cada vez mais usando novas tecnologias e para usar as tecnologias é preciso se ter uma previsão. Se a chuva acabar agora, nós vamos ter uma dificuldade muito grande, mas há uma esperança de que haja uma distribuição melhor e que as chuvas se prolonguem um pouco, para que haja uma recuperação da safra agrícola deste ano em Alagoas”, concluiu o secretário da Agricultura, Pecuária, Pesca e Aquicultura, Alvaro Vasconcelos.

André Risco – Agência Alagoas

01/08/16